A Expedição de Balmis e a Erradicação da Varíola

Idealizador de um método original, mas totalmente antiético nos dias atuais, o médico da corte espanhola Francisco Javier Balmis (1753-1819) convenceu o rei Carlos IV a financiar uma expedição para levar a recém-descoberta vacina contra a varíola da Espanha para a América. Como os transportes eram lentos e não havia sistemas de refrigeração, Balmis usou vinte e duas crianças órfãs para atuar como transmissores do vírus e da vacina durante a viagem. Desta forma, a viabilidade do vírus do veículo no fluido pustular foi assegurada e, conseqüentemente, sua capacidade de provocar uma resposta imunológica foi mantida.Crédito da imagem: (BNE).

A única doença humana erradicada como resultado de uma campanha de vacinação global é a varíola, considerada eliminada em 1980. Porém, a história começou muito antes, no século 18, quando o médico espanhol Francisco Javier Balmis (1753-1819) desenvolveu um sistema original para levar a vacina da Espanha para a América e convenceu o rei Carlos IV a financiar o empreendimento. 
A palavra vacina vem do latim vaccinus, de vacca (vaca) e a sua origem está relacionada à descoberta do médico britânico Edward Jenner (1749- 1823), que percebeu que algumas mulheres que ordenhavam vacas eram imunes à varíola, por terem se contaminado com cowpox (doença benigna do gado semelhante à varíola). Ao observar que pessoas que ordenhavam vacas não contraíam a varíola, desde que tivessem adquirido a forma animal da doença, Jenner extraiu o pus da mão de uma ordenhadora que havia contraído a varíola bovina e o inoculou em um menino saudável, James Phipps, de oito anos, em 04 de maio de 1796. O menino contraiu a doença de forma branda e logo ficou curado. Em 1º de julho, Jenner inoculou no mesmo menino líquido extraído de uma pústula de varíola humana. James não contraiu a doença, o que significava que estava imune à varíola. 
O problema era ampliar a vacinação, já que na ocasião os transportes eram lentos e não havia sistemas de refrigeração. Balmis, que era médico militar e cirurgião da corte de Carlos IV, convenceu o monarca da importância do financiamento da transferência da vacina para aliviar o crescimento imparável da número de mortes na América espanhola, onde a doença chegou em 1518 com os primeiros colonizadores espanhóis.
Balmis argumentou que o único método para transportar o remédio em condições perfeitas era o uso de seres humanos, uma vez que era impossível transferir a vacina naquela época porque não tinha uma técnica capaz de manter o vírus enfraquecido vivo durante uma viagem tão longa. .
O método era original, porém muito delicado. O médico sugeriu o uso de vinte e duas crianças órfãs para atuar como transmissores do vírus e da vacina durante a viagem da Espanha para a América, prática totalmente aceitável naquele tempo
A empresa engenhosa, que salvou milhares de vidas humanas dos efeitos da varíola, consistiu em tirar a vacina no próprio corpo das crianças - que foram inoculadas de forma escalonada - para mantê-lo vivo durante a jornada. Desta forma, a viabilidade do vírus do veículo no fluido pustular foi assegurada e, conseqüentemente, sua capacidade de provocar uma resposta imunológica, ou seja, o efeito desejado da proteção pela vacina.
Assim, o médico espanhol lançou o que seria a primeira missão humanitária da história, oficialmente chamada Expedição Real Filantrópica da Vacina , que deixou La Coruña em 30 de novembro de 1803 e destinava-se a vacinar milhares de pessoas contra a varíola, um marco na saúde pública, contribuindo para sua erradicação.
"A importância desta iniciativa reside não só em ser a primeira a propor a vacinação em massa, mas também na sua dimensão geográfica e demográfica. Não só atingiu os habitantes do que conhecemos como o continente americano, também chegou às Ilhas Filipinas, China e Japão ", explica Agustín Muñoz Sanz, chefe da unidade de patologia infecciosa do Hospital Infante Cristina de Badajoz, na Espanha.
A expedição chegou a Porto Rico em fevereiro de 1804 e, a partir daí, mudou-se para a Venezuela, Cuba e México. Foi no país asteca que foi dividido em dois: o grupo liderado por Balmis, que seguiu a rota para o norte e chegou às Filipinas, introduzindo a vacina na Ásia; e o liderado pelo médico militar José Salvany, que visitou os países da América do Sul.
Os resultados foram um sucesso. Milhares de pessoas - crianças e adultos - foram imunizadas, e em locais onde a vacinação foi mantida, as epidemias diminuíram. Além disso, Balmis publicou milhares de tratados sobre os efeitos e a eficácia da inoculação de acordo com o clima e sobre como proteger a vacina durante os três anos em que a viagem durou.
"A expedição de Balmis, nomeada em sua homenagem, lançou as bases para um meio de ajuda entre humanos que hoje conhecemos como filantropia. E estamos falando sobre o início do século 19 ", diz Muñoz Sanz. Por outro lado, o virologista Antonio Alcamí, do Centro de Biologia Molecular Severo Ochoa assinala que "o conceito de uma expedição cujo principal motivo era humanitário e com o objetivo de melhorar a saúde pública era inovador em seu tempo". 
O médico foi reconhecido tanto pelas classes dominantes e pelos "vacinologistas" da época. Além disso, o próprio Jenner elogiou seu trabalho: "Não consigo imaginar que nos anais da história se dê um exemplo de filantropia que seja mais nobre e mais amplo do que este".
No entanto, seu experimento seria impensável hoje. "As vacinas em massa contra a poliomielite, a gripe e outras doenças estão atualmente sendo realizadas sob os auspícios de instituições internacionais e com o apoio financeiro de grandes grupos ou filantropos como Bill Gates e sua esposa", diz Muñoz Sanz. A diferença, para o especialista, está no ponto de vista ético. "Neste sentido, hoje não seria viável tomar um grupo de vinte e duas crianças como cobaias de laboratório para manter a viabilidade do vírus da varíola e seu poder de imunização", diz ele.
José Vicente Tuells, pesquisador da Universidade de Alicante (Espanha) e especialista na biografia de Balmis insiste na mesma ideia. "Ele usou crianças que não sofreram de varíola em vez de adultos, de modo a não interferirem com o processo imunológico. Claro, o experimento não teria sido aprovado hoje por um comitê de ética ".
Mais de dois séculos depois, os especialistas em imunologia e virologia não esquecem um dos grandes feitos da história da medicina e da humanidade. Além disso, a figura de Francisco Javier Balmis, com suas luzes e sombras, ainda é uma referência para todos os médicos dedicados a salvar vidas nos mais remotos cantos do planeta.
Para saber mais, clique nos links acima

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Mariposa da Morte

Tecnologia Indígena

A Importância Ecológica das Baratas